Faculdade de Informática. Fazer ou não fazer?

Classroom

Ontem (15/03/13) postei um texto sobre a minha opinião a respeito das faculdades de Informática no Brasil e o mercado de trabalho e hoje resolvi reescrever com base em tudo que aprendi nessas 24 horas. Recebi feedbacks incríveis e evoluí muito minha opinião.

Vejo a faculdade com outros olhos e estou estudando qual a melhor opção para retornar a vida acadêmica. Inicialmente quero mostrar minha experiência atual com o mercado de trabalho e com o mundo acadêmico para depois apresentar as conclusões que tirei.

Terras por onde andei

Comecei a me interessar por informática no início do ensino médio. Fiz um curso técnico no colégio federal onde estudei. O curso durou 3 anos e tive aulas de algoritmo, Pascal, banco de dados e Java. Sinceramente, não aprendi praticamente nada no curso técnico. Consegui tirar um certo proveito de algoritmo e ainda assim daria pra aprender em 3 semanas no máximo estudando sozinho ou fazendo um bom curso. Ao concluir o ensino técnico já havia feito dois estágios. Um na SOS Computadores como monitor de alguns cursos, que diga-se de passagem, foi uma total perda de tempo e como Webdesigner em uma empresa voltada para o mercado imobiliário, onde consegui pegar uma experiência bacana e posteriormente fui efetivado.

Entrei na UERJ, saí da UERJ

Saindo do curso técnico consegui uma vaga na UERJ para cursar Ciência da Computação e uma bolsa na Infnet após ser selecionado em um desafio de algoritmos. Optei pela UERJ por ser uma faculdade pública e teoricamente ter um peso maior no mercado de trabalho, falando de diploma é claro. Logo no primeiro semestre tive uma desagradável surpresa. Cinco matérias, quatro de matemática pura e uma de informática. Foram seis meses de aula de Cálculo I, Matemática Discreta, Álgebra Linear, Geometria Analítica e Linguagem de programação com Pascal. Não consegui enxergar como aqueles seis meses acrescentaram algo para mim, tecnicamente falando. Olhei a grade e notei que seria assim pelo resto do curso. No segundo semestre tranquei a matrícula que permanece trancada até hoje. O problema maior em relação a UERJ foi a má escolha do curso. Não tinha a menor idéia sobre quais matérias teria e qual era o foco do curso. Só fui entender isso depois dos seis primeiros meses. Outro motivo que me desmotivou demais foram as condições da própria UERJ. Porém isso foge um pouco do tema, portanto não abordarei aqui.

Caminhos paralelos

Apesar de não ter dado andamento nos meus estudos na UERJ, continuei estudando em paralelo. Fiz alguns cursos entre eles o de Javascript da Caelum e o de SEO da Mestreseo, li muitos livros e passei a ser mais ativo em algumas comunidades que além de terem um conteúdo fantástico, permitem um networking invejável. Mudei de emprego algumas vezes, passando por empresas bem legais onde consegui tirar sempre o máximo possível dos profissionais que trabalharam comigo. Acredito que a melhor coisa que você pode adquirir ao trabalhar em uma empresa é o conhecimento. Cole em bons profissionais e faça um verdadeiro curso com eles. Se você não está aprendendo e evoluindo profissionalmente na sua empresa, é um bom indicativo de que está na hora de mudar de emprego. Atualmente trabalho com uma equipe excelente de UX da VTEX como Desenvolvedor Front End Pleno. Anteriormente tive uma experiência sensacional no Peixe Urbano com uma equipe altamente qualificada também. Estou focado em dominar alguma linguagem server side agora e me tornar um desenvolvedor completo. Continuar focado em no client side e entregar a melhor interface possível para o usuário, mas tendo uma bagagem de Back End e capacidade de resolver problemas onde quer que eles estejam. Voltando a questão inicial agora.

Vale a pena fazer faculdade de informática?

Iria responder com um mero “depende” mas depois de ter lido o post do Akita ontem e ver a resposta dele, vou precisar citar por ser bem mais coerente.

Na dúvida, faça.

Akita

Existem diversos bons motivos para fazer uma faculdade e alguns poucos motivos para não fazer. Não existe uma resposta correta como quase tudo na vida. Você vai precisar escolher se deve ou não. O que resolvi fazer foi tentar escutar os dois lados e apresentar os principais argumentos. Acredito que possa te ajudar bastante assim como me ajudou.

Porque devo fazer uma faculdade

O principal motivo é se tornar um profissional melhor. A faculdade tem que te proporcionar o máximo de conteúdo útil possível. Se você está cursando uma faculdade só pelo diploma e ela não atendeu a esse requisito básico já é um indicador de que não vai ser uma experiência muito boa. Existem casos onde é necessário mas com certeza não é a melhor solução. Seguem mais alguns motivos para cursar uma faculdade de Informática.

Noção de mercado e áreas a seguir

Caso você seja novo no mercado fazer uma faculdade de informática, principalmente as que não são focadas em determinados assuntos e tem uma abrangência maior é uma excelente escolha. Ciência da Computação e Engenharia da Computação vão te apresentar bem o mercado como um todo e te mostrar em quais pontos você pode se preparar posteriormente. É muito bom ter essa visão geral antes de tomar uma decisão tão importante como é a escolha de qual carreira seguir.

Networking

Particularmente acho o networking de faculdade fraco. Durante o curso a grande maioria dos seus colegas de classe estarão em um nível muito semelhante ao seu. Existem exceções e você pode fazer bons contatos com professores, porém não é a melhor maneira de networking existente. Vale ressaltar que algum amigo de classe hoje, pode se tornar um profissional renomado amanhã.

Base acadêmica

Para fazer uma pós graduação, mestrado ou doutorado é necessário que tenha uma boa formação. Isso se deve obviamente por questões burocráticas e principalmente por questão de preparo e maturidade.

Qualificação profissional

Ter diploma ou não já deixou de ser diferencial nas empresas. Para almejar uma boa vaga é necessário ir muito além. Ter tido boas experiências de trabalho anteriormente, ser tecnicamente qualificado e suprir as necessidades da empresa, ser maduro e bom profissional. Isso tudo conta muito em uma seleção porém ter um diploma não deixa de ser um diferencial. Se dois profissionais estiverem disputando uma vaga e forem tecnicamente semelhantes, pode ser uma critério de desempate.

Oportunidades no exterior

Outro ponto essencial é a respeito de oportunidades no exterior. Quando digo exterior falo de polos de tecnologia pelo mundo, locais que abrigam dezenas de startups promissoras e empresas gigantes (Facebook, Google, Twitter, Yahoo…). Essas empresas costumam valorizar muito sua formação acadêmica e dificilmente vai conseguir algo sem ter uma.

Espaço destinado a contribuições

Obviamente não tenho como citar todos os benefícios de uma faculdade, visto que optei por não fazer nenhuma ainda. Então gostaria da contribuição para melhorar a cada dia mais esse post. Vejo que dezenas de profissionais/estudantes se perdem ao entrar no mundo de TI.

Não fazem a menor ideia de qual curso escolher e de como se portar.

Boa parte dos tópicos listados anteriormente foram citados nos comentários ou em grupos de discussão logo acredito que vão aparecer novos e atualizarei sempre que possível.

Porque não devo fazer uma faculdade?

Não existem bons motivos reais para não se fazer uma faculdade. Porém existe a opção de não cursar uma e mesmo assim ser um profissional bem sucedido. Posso citar bons nomes de cabeça e sei que existem dezenas de outros. Markinho (Mark Zuckberg), Steve Jobs, Bill Gates, Michael Dell, Leandro Oriente, Akita…

O fator principal aqui é saber tirar proveito de tudo que você teria cursando uma faculdade no seu tempo, com seus métodos e com suas prioridades. Nesse caso é essencial que você já tenha um certo conhecimento de mercado e que tenha optado por alguma carreira.

Caso ainda não tenha certeza sobre o que quer da vida, entre numa faculdade.

Como adquirir conhecimento fora da faculdade

Existem diversos métodos mas vou citar os que achei mais eficientes no decorrer do tempo.

  • Faça cursos: É um pouco óbvio mas é preciso ter cuidado. Existem muitas ciladas nesse meio. Antes de iniciar qualquer curso entre em contato com pessoas que já fizeram e observe se esse profissional realmente é qualificado para avaliar o curso.

    Para quem nunca viu uma linha de código, qualquer curso é uma maravilha.

    No Rio de Janeiro posso citar a Caelum como uma excelente opção. Já ouvi boas opiniões a respeito da Infnet e da Coti também, porém não tive nenhuma experiência com eles.

  • Seja ativo na comunidade: Uma das magias da Informática é ter uma comunidade extremamente ativa. Praticamente todas as áreas tem comunidades ativas online e boa parte delas já realiza eventos e encontros offline também.

    É uma excelente oportunidade de networking e de ficar por dentro das novidades. Participar de eventos e ser ativo na comunidade de sua área é de suma importância para se manter atualizado e direcionar seus estudos.

  • Leia livros/blogs: Leia, mas leia muito. Se não gosta de ler diariamente vai ter problemas para avançar em sua carreira.

    Existem diversos blogs com um material excelente e com opiniões de profissionais tops do mercado. Além disso existem livros excelentes que vão te ajudar durante anos.

    Não vou citar nenhum blog que acompanho pois são bem focados na área de desenvolvimento, porém tenho muito gosto pela editora O’Reilly. Todos os livros que eu li até hoje foram excelentes e notei que ela abrange diversas áreas.

  • Coloque a mão na massa: Não adianta só ler, não adianta só estudar, não adianta só se preparar. Tem que por a mão na massa. Tente sempre por em prática tudo que aprende. Só assim vai saber se aquilo é realmente útil e se foi um investimento de tempo válido.

    Faça pequenos testes mesmo que não tenha domínio total de algo, é melhor fazer errado e descobrir porque errou depois, do que deixar pra testar no final e se deparar com erros bobos que já deveria ter enfrentado.

  • Não se acomode: Como disse Zeno Rocha em uma palestra que assisti em BH, sai da zona de conforto. Você não pode ser acomodado. Se por acaso achar que está bem tecnicamente e que pode relaxar vai acabar armando a própria armadilha. Você nunca vai chegar no nível técnico ideal, sempre vão ter coisas novas para descobrir e aprender e isso vai te tornar um profissional cada vez mais relevante e capacitado no mercado.
  • Saiba usar o google: O google é seu melhor amigo. Saiba pesquisar e filtrar os resultados. Você vai realizar centenas de pesquisas diariamente, logo, vai precisar aprender a minerar o que é relevante e o que é balela. Nem sempre o google vai te entregar os melhores resultados.

    Algo que tem dado muito certo pra mim é realizar buscas em inglês e priorizar o StackOverflow. É impressionante como consigo respostas precisas e focadas no meu problema.

  • Saiba ler inglês: É muito importante ao menos saber ler em inglês. A gama de material em inglês para qualquer área de TI é MUITO maior que a nacional.
  • Descubra o que estudar: Não basta estudar, tem que saber direcionar seus estudos.

    Uma forma eficiente de saber para onde mirar é pesquisar o que as grandes empresas tem usado e o que elas cobram de seus profissionais.

    Após mapear isso comece a verificar quais pré requisitos são necessários para que você possa chegar nas especificações cobradas. Não adianta aprender a somar antes de saber contar o resultado é desastroso e uma total perda de tempo.

    Outra forma de direcionar seus estudos é focar em profissionais renomados no mercado e questionar o que recomendam. Eles (quase sempre) são legais e vão te ajudar.

Uma visão superficial de mercado (Foco em desenvolvimento)

Estou a pouco tempo ativo no mercado mas tirei algumas conclusões (provavelmente precipitadas) sobre o mercado atual.

Pude notar que existe uma demanda muito grande por profissionais na área de TI. As duas grandes empresas em que trabalhei literalmente caçavam bons profissionais e a rotatividade é muito alta.

Isso acontece porque claramente faltam bons profissionais no mercado. No Peixe Urbano cheguei a trabalhar com profissionais da Colômbia, Argentina, Estados Unidos, Itália, Suécia, Rússia… Obviamente rolava um pouco de exagero do RH (olha eu falando besteira de novo) mas dava pra reparar que era mais fácil trazer profissionais de fora do que encontrar no Brasil.

Porém outro feedback interessante que vejo é a quantidade de profissionais que reclamam que o mercado paga mal, cobra demais e não tem oportunidades boas.

Da para notar claramente que estão faltando profissionais qualificados no mercado.

No meu ponto de vista existem diversos fatores que contribuem muito para esse buraco.

As faculdades precisam se atualizar com mais frequência. Boa parte dos conteúdos são muito defasados. É compreensível que em um curso de 4/5 anos não tenha como se atualizar na velocidade em que o mercado se atualiza, mas não da para trabalhar em cima de coisas que foram abandonadas a anos.

Vou citar um exemplo clássico.

Geralmente a primeira linguagem que o aluno tem acesso é Pascal. Não consigo entender qual o objetivo de ensinar Pascal. Se a idéia é trabalhar algoritmos ou introdução ao desenvolvimento de sistemas porque não trabalhar em cima alguma linguagem atual? Porque não ensinar utilizando Javascript por exemplo?

Boa parte dos alunos não completa a faculdade. Acredito que a falta de informação sobre o foco de cada tipo de graduação de TI é um dos principais causadores desse problema. Para um aluno que acabou de sair do ensino médio, Informática é Informática. Pouquíssimos sabem de fato a diferença entre Ciência da Computação, Engenharia da Computação, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e todos os demais cursos. Até pouco tempo o curso de Ciência da Computação da UERJ era chamado de Informática no vestibular.

Nem todos entendem a dinâmica do mercado ao se formar. Para trabalhar com TI você precisa ser autodidata. Não um simples autodidata, diria que um autodidata sênior. Tem que conseguir se virar sozinho. Não pode depender de faculdade ou cursos para conseguir se especializar em algo. Tem que correr atrás do próprio conhecimento. Conseguir um diploma não é o suficiente para entrar bem no mercado de trabalho. É preciso ir muito além. Se possível aproveitar o período da faculdade e já ir se especializando em algo.

Enfim

O ponto que queria chegar é que não existe uma receita de bolo para se tornar um bom profissional.

Você tem diversos caminhos a seguir e todos eles vão depender de muita dedicação, empenho e horas de estudo e trabalho.

Você pode ser um bom profissional sem ter cursado uma faculdade como pode ser um profissional ruim tendo cursado uma.

No final das contas o que importa é bagagem de conteúdo e experiência que você juntou durante sua vida.

 

Leia também

Comentários