O que é Black Friday e porque não funciona no Brasil

Resumidamente Black Friday é um dia próximo as festas de final de ano em que as lojas oferecem mega descontos para limpar os estoques e se preparar para o Natal.

Acontece sempre na última sexta feira de novembro e dura 24 horas.

Caso queira conhecer melhor sobre as origens da Black Friday dêem uma olhada no artigo da Wikipedia. Vamos focar apenas no evento como um todo e porque não funciona aqui.

No Brasil a Black Friday apareceu pela primeira vez em 2009 porém não da mesma maneira como acontece nos EUA.

Os descontos foram bem menores e alguns camuflados por aumentos na véspera do evento. Bem longe do que vemos nos EUA.

Aliás, para quem não conhece a Black Friday americana segue um vídeo que demonstra bem.



Para quem não conhece o evento original, vou explicar melhor como funciona a Black Friday americana. Vai servir de parâmetro para a explicação das falhas na brasileira posteriormente.

Black Friday nos EUA

Durante o ano todo os varejistas mantém os estoques de seus produtos relativamente altos, já que o mercado tem um poder de compra bem poderoso e é em geral muito consumista. O fluxo de venda se mantém em ritmo constante com exceção de uma época do ano.

Uma época em que as pessoas ficam literalmente loucas para comprar e que as empresas costumam lançar novos produtos de olho nessa loucura.

Já sabem do que estou falando? Vou dar uma dica: Um cara gordo e velho com roupas vermelhas distribuindo presentes para as pessoas.

Isso mesmo, estamos falando do Lula Papai Noel.

No Natal os varejistas precisam reabastecer seus estoques com as novidades lançadas e preparar suas contas bancárias para ganhar seus milhões.

Tudo muito bom até agora. Todos amam o Natal, mas temos um pequeno problema ai.

Lembram que comentei que os varejistas mantém os estoques altos? O que fazer com as sobras que não vão ser aproveitadas no Natal? Estocagem além de custar caro toma o espaço dos novos produtos.

O custo dela começa a comer o lucro do que já foi vendido e isso é um problemão.

Complicou? Calma, vamos ver um exemplo que vai clarear (sem racismo) as coisas.

A fictícia loja EasyBuy comprou mil unidades da TV Shang Tsung 40” 2013.

Durante o terceiro trimestre de 2013 eles venderam 900 unidades e lucraram U$ 30.000,00 em cima das unidades compradas.

Porém restaram 100 unidades da TV no estoque e elas custam U$ 2.000,00 mensais para permanecer no estoque.

A Shang Tsung por sua vez no início de setembro lançou a Shang Tsung 40” 2014 com acesso a internet e máquina de expresso integrada.

Nenhum cliente tem interesse de pagar R$ 1.500,00 na 2013 sendo que a 2014 também custa isso.

O que fazer com as 100 unidades restantes que estão começando a dar prejuízo?

Doação? Caridade? Hum… Acho que não né?

Vamos vender a preços absurdamente baratos. Os descontos chegam facilmente a 70%, 80%, 90%.

E como fazer isso de maneira prática e eficiente?

Escolha um dia do ano, avise ao seu público com antecedência, invista muito em marketing e deixem seus clientes se matarem por uma TV de 40” antiga.

Ficou claro como funciona a Black Friday americana?

É uma simples limpeza de estoque para que possam se preparar para o Natal. Peguem algo que está mofando num estoque dando prejuízos diários e venda por preços irrisórios.

Vamos agora a Black Friday brasileira.

Black Friday no Brasil

O mercado brasileiro não é tão forte assim. Poucas pessoas realmente tem um poder de compra razoável o que resulta num varejista menos confiante em manter seus estoques elevados.

Comprar 2 mil unidades de uma TV e vender 300 unidades em um mês, muitas vezes resulta em perder dinheiro já que o lucro das 300 vai ser consumido pelo custo de estocagem das 1.700 que sobraram e que podem continuar ali por um bom tempo.

Logo os varejistas brasileiros não mantém um estoque tão elevados assim. Preferem ficar sem estoques em determinados momentos do que se arriscar.

Quantas vezes você foi na fome de comprar um video game novo e descobriu que não havia mais estoque na loja com preço legal?

Aliás, peguem alguma categoria interessante de um e-commerce grande e vá paginando. Provavelmente no final vão ter alguns produtos sem estoque.

O que acontece então quando chegamos perto da festas de final de ano no Brasil?

Isso mesmo, nada. Os varejistas aumentam um pouco seus estoques mas não se preocupam tanto assim com os itens anteriores porque raramente existem muitas “sobras” por mês.

Mas como vimos sexta-feira passada, a Black Friday estava lá firme e forte (não tão firme em alguns casos né?).

Então do que se trata a Black Friday brasileira?

Descontos na margem de lucro. Basicamente isso.

Os varejistas sabem que nesse dia específico o mercado vai estar pronto para gastar. Então aumentam seus estoques, abaixam a margem de lucro e dão descontos discretos (5% ~ 25%).

Não é o suficiente correto? Sabemos que nos EUA os descontos são de 70% ou mais em alguns casos, então eles inflam seus preços um pouco antes para parecer que o desconto foi maior.

Um produto que custou R$ 1.000 o ano todo, próximo a Black Friday passa a custar R$ 1.250 e na Black Friday desce para R$ 800. Só com esse pequeno ajuste mudamos um desconto de 25% para quase 55%.

Outra tática comum é da de dar descontos absurdos em produtos que vão sair de linha. Não tem problema de dar 70% de desconto no xBox 360 versão 1 quando a versão 1.1 foi lançada. O cliente não vai comprar mais a 1 sabendo que existe algo superior então é uma boa hora para queimar o estoque.

Concluindo TL;DR

A Black Friday não funciona no Brasil porque de fato ela nunca veio para cá. São cenários diferentes e não teremos o evento americano tão cedo por aqui.

O que temos é um dia em que as lojas realizam as promoções que costumam fazer ao longo do ano de maneira unificada e com todo o marketing do evento.

Que em nada se parece com a queima de estoque anterior ao Natal que ocorre nos EUA com mega descontos.

Como comprar na Black Friday sem ser enganado?

Nem tudo está perdido. Da para fazer boas compras na Black Friday e garantir o Natal. Seguem algumas dicas para aproveitar o evento.

  • Sempre que possível pague no boleto bancário. As lojas costumam dar de 10% à 15% nos pagamentos realizados com boleto (isso vale para o ano todo).

  • Observe o gráfico de variação de preço dos produtos em sites de comparação de preço como Buscapé e JaCotei. Qualquer curva muito acentuada antes da Black Friday pode indicar uma Black Fraude.

  • Selecione os produtos que pretende comprar antes e logo no início do evento comece a correr atrás nas principais lojas. Descontos bons costumam esgotar cedo.

  • Alguns sites ficam instáveis devido ao grande fluxo de visitas. Tente acessar por volta das 04:00 ~ 05:00 onde os sites tendem a normalizar já que tem menos tráfego. Isso não acontece com e-commerces que usam a plataforma VTEX.

  • Se for comprar em uma loja “estranha” verifique no ReclameAqui se a loja é razoavelmente confiável. Observe também se a loja possui telefone de contato e endereço.

Importante

Esse post é baseado em minha opinião pessoal.

Comentários